Páginas

sábado, 19 de março de 2011

Feliz dia...


Feliz dia do pai!
O dia do pai para mim equivale ao dia dos namorados para quem não tem namorados. Queremos que seja um dia como os outros, mas no fundinho do nosso coração sabemos que não o é...

Ao inicio não vou negar que o dia do pai me chateava imenso, principalmente na escola primária e básica quando nas aulas tínhamos de fazer o presente para o dia do pai, eu fartava-me de dizer que uma vez que não tinha a quem o dar que não o queria fazer, mas ganhava as mesmas, acabava sempre por ser obrigada a fazer, as professoras diziam para eu oferecer a um homem da minha família de quem gostasse muito, os primeiros presentes foram para o meu avô materno, como figura masculina foi sem dúvida o meu segundo pai, depois como andava na catequese e diziam que os padrinhos de baptismo eram quem os pais escolhiam para cuidar de nós e serem os nossos pais caso os nossos biológicos partissem, decidi dar uma ao meu padrinho, até que comecei a crescer e a pensar por mim própria e vi que na realidade até tinha um pai!

Aliás, eu tinha e tenho melhor que um pai, tenho uma SUPER MÃE tenho um dois em um!

E por isso cheguei à conclusão que todas as prendas que fazia, não tinham outro destino senão serem para ela, ela sozinha, criou-me, deu-me amor, nunca deixou que me faltasse nada, nunca me deu tudo, mas os bons pais não são aqueles que dão tudo, sempre me ensinou que há coisas que nos fazem falta para sobreviver e viver bem, essas nunca me negou nem nunca me faltaram, outras que são coisas supérfluas, e que se as queria tinha de ser eu a comprá-las...

Comprou-me o primeiro computador, porque precisava dele para fazer os trabalhos da escola, passado anos avariou e comprou outro, mas quando eu entrei para a universidade se quis um portátil tive de ser eu a comprá-lo, todos os telemóveis que tive fui eu que os comprei, juntava dinheiro dos anos, da pascoa, do natal e comprava, mp3, malas, carteiras e bijuterias se as queria tinha de ser eu a juntar.

E eu só tenho a agradecer esta educação que ela me deu, eu só sou hoje o que sou hoje graças a ela...

E é por isto tudo e muito mais que hoje lhe desejo um FELIZ DIA DA MÃE!

xoxo Ritinha

2 comentários:

  1. Ritinha,
    Cheguei a este post pelo link que me deixaste, e ainda bem que tive a oportunidade de o ler. Eu já tinha percebido que nós tínhamos alguns pontos em comum, mas aqui encontrei outro.
    Eu também não tenho pai. No meu caso, o meu pai faleceu mais recentemente (há 2 anos), mas mesmo enquanto vivo, a presença dele sempre foi praticamente nula. Tal como tu, não faço ideia do que seja ter um pai que me ensinasse a jogar à bola, que me acompanhasse na natação, que guiasse a família nas férias, ou que aprovasse/desaprovasse os meus namoricos. E sei o que é sentir uma pontinha de inveja quando ouço as minhas amigas contarem as histórias dos pais, porque faz parte do nosso desenvolvimento pessoal ter uma figura masculina que nos influencie.
    Mas tal como tu, tenho uma mãe que vale por dois. Aí sim, posso dizer que tive uma super-mãe que me ensinou a cozinhar (por ex), que me levava ao ballet, que tem sustentado sozinha os meus estudos e que me tem dado as maiores lições de vida de sempre.
    Parte da razão para eu não gostar do Natal, também está relacionado com este facto, e também tenciono desenvolver melhor este assunto mais próximo da data em questão...
    Gostei de conhecer mais este bocadinho de ti ^^
    Kisses

    ResponderEliminar

Comentários fofinhos para a Ritinha